30.9.10

Entretanto, lá na Parvónia

.
Como repetidamente tenho afirmado, não há uma crise especificamente portuguesa, mas uma crise financeira da zona euro com repercussões mais graves na sua periferia, de que fazemos parte. Cada dia que passa torna isso mais evidente.

A Grécia e a Irlanda (mas também países exteriores à zona euro como a Hungria e os países bálticos) afundam-se numa situação sem saída à vista, numa prova evidente de que a política de austeridade imposta pelas forças de direita que comandam a União Europeia é errada e contraproducente.

É ilusória a ideia de que Portugal ou a Espanha podem safar-se cumprindo as ordens de Bruxelas. No final deste absurdo processo de ajustamento, os países da periferia terão estagnação económica, desemprego elevado e níveis relativos de endividamento ainda maiores durante anos a fio. Grécia e Irlanda estão apenas mais avançadas nesse processo.

Ao contrário do que Merkel e o BCE imaginam, a paralisia alastrará inevitavelmente ao centro, porque as dívidas soberanas são detidas por bancos e investidores desses países e porque não se pode exportar mais para consumidores sem poder de compra.

A globalização reduziu progressivamente a margem de manobra da nossa política económica. A adesão ao euro eliminou quase toda aquela que restava. O pressuposto era que a soberania nacional fosse transferida para entidades europeias responsáveis e democraticamente imputáveis, o que manifestamente não aconteceu.

O dilema coloca-se, pois, entre a estagnação duradoura do continente e a reforma da governação política e económica na zona euro. Estando o poder da União Europeia nas mãos de quem está, as coisas terão ainda que piorar muito antes de poderem começar a melhorar.

Resta a um governo português decente e responsável proteger o seu povo na medida do possível das consequências de uma política sem grandeza e sem visão.
.

2 comentários:

Carlos Albuquerque disse...

Caro João Pinto e Castro

Parece que o comentário que aqui deixei se perdeu.

Porque não acredito que fosse capaz de censurar um comentário político por ele mostrar claro desacordo consigo e com o governo, repito aproximadamente o que disse.

Ao contrário do que diz, há uma crise especificamente portuguesa: o governo de José Sócrates e do PS. Ao contrário da Espanha, não rebentou em Portugal uma bolha imobiliária. Ao contrário da Grécia, não tínhamos um historial de défices muito elevados mascarados. Ao contrário da Irlanda, o nosso sistema bancário não teve problemas sérios.

A crise internacional e os problemas dos outros têm apenas servido para o governo esconder a sua incapacidade, incompetência ou deliberada falta de vontade de reduzir o défice e manter despesas absurdas.

CRESCIMENTO disse...

Concordo com a sua análise no que diz respeito ao " desmamar " dos países da periferia. Só não estou de acordo é com a segunda parte, ou seja em como no futuro não existirá capacidade de compra por parte dos países da periferia. È que o " centro " da Europa tem novos mercados que pagam a pronto as suas mercadorias e serviços. Esses paises estão localizados a oriente, dos quais destaco por exemplo a China - mercado não lhes falta.