13.7.12

Que espécie de coisa é a economia


.
Diz-se às vezes que tudo o que é bom ou faz mal ou é pecado. Do mesmo modo, parece que tudo o que nos torna felizes tarde ou cedo se revelar mau para a competitividade da economia.

Os feriados são maus, as férias são más, os fins de semana são maus, o serviço nacional de saúde é mau, os salários altos são maus, os contratos de trabalho são maus, a segurança laboral é má, as reformas são más, as auto-estradas são más, os aeroportos são maus, a limpeza das ruas é má, as escolas bonitas são más.

Isto só nos parece aceitável porque se tornou habitual encarar a economia como algo não só distinto como até alheio ou mesmo hostil à nossa vida individual e colectiva.

O passo seguinte é falar da economia como se ela fosse uma pessoa dotada de identidade física, personalidade própria e sentimentos. “A economia está frágil, mas poderá eventualmente recuperar”. “A saúde da economia justifica toda a nossa preocupação”. “Temos todos de fazer sacrifícios para que a economia cresça”. A economia é provavelmente o mais desfavorecido dos cidadãos.

O estádio supremo desta fantasmagoria envolve a crença na existência de entidades divinas ontologicamente subordinadas à economia conhecidas pela designação genérica de “mercados”. Incumbe a certas pitonisas com coluna nos jornais fazerem o favor de nos dar regularmente conta dos seus estados de alma: umas vezes, os caprichosos mercados estão satisfeitos, declaram confiança nos homens e prometem-lhes mel e maná; outras, estão nervosos e ameaçam terríveis vinganças.

Se isto não é uma religião, o que será uma religião?
.

3 comentários:

hugo disse...

por acaso são os economistas mais beatos que fazem o sermão do "viveram acima das vossas possibilidades" -a luxuria como culpa- e a remissão pela frugalidade. Talvez as pessoas projectem os seus valores (ou a ausência deles) sobre a economia?

O Raio disse...

A conclusão a tirar da primeira parte do artigo é que Economy is bad for you...

Quanto à religião.

A principal diferença entre ciência e religião é que a ciência prevê e a religião explica.

De uma forma geral a religião ou não prevê ou falha a previsão mas, depois dos factos acontecerem explica-os todos.

É o que acontece com a economia.

Creio que foi um filósofo do Século XIX que disse que uma ciência só atingia a maioridade quando assumia formalismo matemático.

Se considerarmos que esta frase também se aplica à religião, temos que a economia é a única religião que atingiu a maioridade pois é a única que assumiu formalismo matemático...

Lowlander disse...

A economia nao e ciencia. E um ramo de engenharia.
O unico motivo que justifica esta constante tentativa de transformar a coisa naquilo que nao e a tentativa de ganhar primazia no espaco politico.

Exemplos de outras disciplinas promovidas a "ciencias" por forma a justificar a sua primazia politica do passado:
- tactica e estrategia militar
- teologia
- retorica