3.11.11

Agora vejam lá se entendem a lógica disto

.


Será mesmo verdade que o Brasil tem mais que um sistema?
.

4 comentários:

jj.amarante disse...

Consigo arranjar explicação para quase tudo:

Em África é a influência colonial óbvia, as ex-colónias da França e Portugal têm a norma europeia (a nossa deriva da alemã/francesa), as inglesas têm a norma britânica. Notar que no UK a norma é relativamente recente, sendo o país da revolução industrial tinham uma multiplicidade de normas que só foram unificadas depois da segunda grande guerra. Em países com uma maior base instalada a introdução de normas novas é mais difícil e deve ter sido o que aconteceu na África do Sul. Na China é certamente a influência de Hong-Kong que até influencia Macau. Na Índia devem ter querido distanciar-se quer da Inglaterra quer da Europa, para terem um standard próprio que influenciou os vizinhos ou tinham uma norma inglesa anterior à que referi acima e não quiseram mudar. A América do Norte estende-se até onde pode. O Brasil tem efectivamente mais do que uma norma, a cultura portuguesa é pouco normativa. Podes ver mais aqui: http://en.wikipedia.org/wiki/AC_power_plugs_and_sockets. Provavelmente os engenheiros electrotécnicos são casmurros´, ou os interesses industriais são muito grandes, porque foi impossível standardizar as fichas na União Europeia (os ingleses deviam ser um obstáculo de monta).

Anónimo disse...

Se considerar as normas referentes à versão com terra, a coisa é ainda mais ridícula: Itália, Suíça, França e Alemanha têm normas diferents...
Cumprimentos,
PG

Buíça disse...

Certo, o Brasil a certa altura tentou mudar, mas era no tempo em que todos esses projectos ficavam a meio no eterno país do futuro. Então ficaram com os 2.
Agora já podiam voltar ao tema, de facto não faz sentido ter 2 sistemas.

WIZ KWACHA KWACHA VENCEREMOS? disse...

os ingleses tal como os brasileiros fabricam adaptadores custavam 2 libras e 50 pences nos anos 90

agora deve haver variadas chinesas a preço inferior