5.9.08

Crónica social contemporânea

Atenção, Professor João Carlos Espada, a concorrência está cada vez mais aguerrida:
"A elegância de Mestre David Ribeiro Teles, do alto da sua esplêndida montada, o brilho felicíssimo dos seus olhos juvenis de apenas oitenta e um anos nas cortesias por ocasião da alternativa do seu neto, João Ribeiro Telles, a alegria e entusiasmo da sua numerosa Família espalhada pelas bancadas ou pela trincheira são um espectáculo inolvidável mesmo para quem assiste pela televisão (e não na Praça, como felizmente se proporcionou há dois anos na alternativa de Manuel Telles Bastos): a emoção é quase (apenas quase...) a mesma. Espero que o Filipe descreva a corrida com o mesmo calor com que costuma pintar as exibições dos seus (e sem necessidade de tantos exageros) dado que o meu teclado se encontra comovido até às lágrimas desde as cortesias e os meus olhos presos no ecrã."

8 comentários:

Luis M. Jorge disse...

A "Família" com maiúscula dá-lhe um toque venerável. É um texto muito divertido.

magistrado disse...

Candonga

Na edição de hoje do Sol:






Parece que um magistrado do Ministério Público andava a fazer uma perninha no mercado negro. Imagine-se o que os justiceiros, que estão sempre de moca afiada, não diriam se isto acontecesse com alguém da “classe política”?

RESSACA ® disse...

Pedindo antecipadas desculpas pela “invasão” e alguma usurpação de espaço, gostaríamos de deixar o convite para uma visita a este Espaço que irá agitar as águas da Passividade Portuguesa...

Luis M. Jorge disse...

Meu caro amigo, um tipo que quer "agitar as águas da Passividade Portuguesa" nunca diz que quer "agitar as águas da Passividade Portuguesa". Chama-se a isso um overpromise, e uma infeliz escolha de meios.

Anónimo disse...

Será referência a uma concepção mafiosa da família?

pvnam disse...

«........mini-spam........»
Separatismo na Europa

---> IOL, Portugal Diário, 11-09-2008: «Mortes superaram nascimentos em Portugal...»
---> Vasco Pulido Valente, Jornal Público, 12-09-2008: «Apesar de um ou outro protesto melancólico ou corporativo, o público já não se interessa pelo seu futuro (ou pelo seu presente) colectivo...»
---> ...etc...

---> Um povo sem um projecto de Luta pela Sobrevivência, é um povo de BANDALHOS NO PLANETA.

---> Não sejam um bando de imbecis! Ou seja: não percam tempo com BANDALHOS (vulgo Bandalhos Brancos: a maioria dos europeus)!

---> Há que mobilizar aquela minoria de europeus que está disponível para abraçar um projecto de Luta pela Sobrevivência! Ou seja:
-> Contra a (cada vez mais poderosa) Inquisição Mestiça;
-> [antes que seja tarde demais] É urgente reivindicar o legítimo Direito ao Separatismo:
http://separatismo–50–50.blogspot.com/




P.S.
-> Os Bandalhos Brancos são uns Bandalhos Intolerantes: como NUNCA conseguiram construir uma sociedade sustentável sem ser à custa da repressão dos direitos das mulheres (mulheres tratadas com úteros ambulantes), hoje em dia, como seria de esperar, os Bandalhos Brancos pretendem infiltrar-se no seio de outros povos [procuram infiltrar-se em qualquer lado]: quer importando outros povos para a Europa... quer deslocando-se para o território de outros povos...... consequentemente... os Bandalhos Brancos são INTOLERANTES para com a existência de Reservas Naturais de Povos Nativos!...

P.S.2
---> Para os Bandalhos Brancos, «os pretos são os salvadores da pátria»: de facto, como os pretos(...) pretendem ocupar e dominar cada vez mais territórios, consequentemente os Bandalhos Brancos estão a contar com os pretos(...) para combater o SEPARATISMO.
{{{nota: É possível encontrar portugueses brancos receptivos à ideia do Separatismo-50-50, pelo contrário, os portugueses negros(...) (e os mestiços também) são uns ferozes opositores do Separatismo-50-50}}}

GL disse...

Que ganda bandalheira este comentário aí de cima.

GL disse...
Este comentário foi removido pelo autor.