18.9.08

O desenvolvimento não é o prémio da virtude

Hesitei alguns meses antes de redigir o artigo que ontem publiquei no Jornal de Negócios, porque sabia que pode prestar-se a mal entendidos.

Só me descontraí um pouco depois de ler o comentário favorável de Pedro Lains, um dos nossos maiores especialistas de história económica.

2 comentários:

jorge nuno disse...

Meu caro JPC:
Este seu artigo é mesmo bom, sem dúvida, e não pode senáo ter comentáros favoráveis. Aliás n' A Riqueza e Pobreza das Nações" do Landis e o Jared Diamond "armas Germes e Aço" demonstram e circunstanciadamente que o que expõe no artigo tem mais de factos historicamente comprovados que de especulação. Vale a pena continuar a explorar este tema que sempre daria para abalar uns mitos que por aí andam.
um abraço

jj.amarante disse...

João
Há muito acerto no que dizes com 3 ressalvas:
- as considerações que fazes são válidas para a tendência geral, ocorrerão provavelmente factos singulares levando a variações significativas (por exemplo, esta nossa paixão de décadas pelo Salazar, não estava inscrita na geografia);
- a relevância da centralidade geográfica é fortemente atenuada pela actual facilidade de comunicação à distância;
- os "500 anos" é uma figura de estilo perigosa, provavelnmente quererias dizer "enquanto os actuais bloggers forem vivos..."