25.3.09

O especulador de última instância

.
Nesta fase da recessão mundial já deveríamos estar todos prevenidos contra mágicos esquemas de engenharia financeira que prometam resolver de forma rápida e simples problemas de enorme complexidade ao mesmo tempo que deixam toda a gente mais rica.

O mais recente de uma já longa série de milagres é o Plano Geithner anunciado no princípio da semana pela administração Obama.

Em síntese, a coisa funciona assim: Como os bancos estão atulhados de créditos de cobrança duvidosa, não têm condições para conceder créditos às empresas e aos particulares. Logo, é preciso resolver urgentemente o problema de capitalizá-los libertando-os dos activos de qualidade duvidosa que pesam negativamente nos seus balanços.

Para evitar a nacionalização, o governo americano inventou agora um mecanismo que consiste em vender esses créditos a parcerias público-privadas especialmente constituídas para gerirem activos tóxicos.

Faz-se um leilão para o mercado determinar o valor dos activos e constitui-se um fundo para cujo capital os privados e o Tesouro contribuem com parcelas iguais. O Estado dispõe-se ainda a emprestar até 85% do montante investido.

Tudo muito simples, não é verdade? Até aqui, sim, mas falta a parte mais difícil.

Primeira dificuldade: pode acontecer que o impropriamente chamado "mercado" não esteja disposto a pagar pelos activos um valor ao menos igual àquele que os bancos vendedores lhe atribuem. Nesse caso, não haverá negócio e o Plano saldar-se-á por um fiasco.

Mas alguns optimistas acreditam que os activos valem na realidade muito mais do que actualmente se supõe, de modo que, argumentam eles, haverá gente disposta a apostar nessa eventualidade.

Além disso, o que é que os investidores têm a perder? Se os activos se valorizarem, lucrarão com o negócio. Se se desvalorizarem, o grosso do prejuízo ficará para o Estado.

Caras, ganho eu. Coroas, perdes tu.

De modo que, olhando a coisa com frieza, a tentativa de evitar a nacionalização que muitos reputam inevitável conduz à promoção da especulação numa escala inaudita suportada com os dinheiros públicos.

Correrá bem? Correrá mal? Um dos aspectos mais surpreendentes deste plano é a dificuldade que os maiores especialistas têm revelado em entender todas as suas consequências. Quais os riscos reais corridos pelo Estado? Que probabilidade existe de o esquema dar para o torto? Como se safará o Estado americano nessa eventualidade? Ninguém sabe ao certo.

De modo que, depois de os privados terem criado instrumentos financeiros que de facto ninguém entendia, chegou agora a vez de o Estado procurar imitá-los.

É o Estado especulador de última instância.

PS - Isto não vos faz lembrar um bocadinho o negócio da Caixa com Manuel Fino? Pois é, tem certas semelhanças.
.

3 comentários:

Anónimo disse...

Mais uma vez a palavra chave é "confiança", a que se junta outra - "segurança".

Como bem descreves, que riscos existem para os investidores ? Nenhuns... excepto se o Tesouro Norte-Americano entrar em default.

Os Americanos querem "pôr a Economia a mexer" e depois se verá.

O problema está no "depois". É que, se "antes", o investidor avançava, "sem medo", agora retrai-se. Porquê ?

Confiança ...

"Anónimo, do 1º ao 7º (...)"

Tarzan disse...

«Que probabilidade existe de o esquema dar para o torto?»

Vai ser preciso mais umas Freddie Macs e Feddie Maes para que se chegue a alguma conclusão...

a presença das formigas disse...

Fábula de Manhattan
Bernie Madoff e a vingança das lagostas
por Woddy Allen