18.3.09

Soluções

.
Os problemas dos EUA resolviam-se prontamente se os salários sofressem um corte de 20%.

Já ouviram algum economista americano dizer isto? Claro que não, embora seja verdade.

E por que não o dizem eles? Primeiro, porque reconhecem não se tratar de uma solução aceitável, o que vale por dizer que não é uma solução. Segundo, porque o simples facto de isso ser dito torna o problema mais difícil de resolver.

Não se pode excluir que, no final, algo de semelhante possa vir a acontecer se tudo correr pelo pior, mas apenas porque todas as restantes alternativas terão falhado. Algo muito diferente, como é óbvio, de se fixar essa meta à partida.

Por que será que só em Portugal é possível escutar-se atoardas deste tipo travestidas de alta sabedoria? E por que serão elas tomadas a sério por quem teria obrigação de saber mais?
.

3 comentários:

GL disse...

Mas como sabe Portugal não tem o mesmo índice de produtividade dos EUA, nem opera com dolar... a produtividade é baixa e operamos em Euro.

Daí a esta receita ser aplicável, são outros quinhentos. Mas era bom que houvesse consciência de que era uma hipótese de amenizarmos e sairmos mais rápido da situação em que nos encontramos, obtendo competitividade.

Anónimo disse...

E como se compatibilizaria essa "medida" (terá sido ... medida a consequência no rendimento disponível e no consumo privado ?) com o tão desejado "estímulo à economia" ?

Em termos práticos, regresso a 1974, carrito minúsculo a sair apenas ao domingo, o dia de "rancho melhorado" ou de ida à churrascaria, roupa passajada e passada de pais para filhos, de irmãos para irmãos, férias em parque de campismo, hortas e galinhas no quintal ...

Lembram-se como era ?

"Anónimo, do 1º ao 7º(...)"

Rui Fonseca disse...

"Os problemas dos EUA resolviam-se prontamente se os salários sofressem um corte de 20%"

Quais problemas?