11.7.08

O momento infeliz de ontem

Por muito bem que lhe corra o debate parlamentar, Sócrates insiste em ter sempre um momento infeliz - digamos assim, um momento Louçã.

Ontem, o momento Louçã ocorreu quando o primeiro-ministro mandou uma funcionária da AR entregar em mão ao líder do grupo parlamentar do PSD uma pilha de estudos sobre obras públicas.

Rangel fez bem em recusá-la. Primeiro, porque não tem que colaborar nas rábulas que o primeiro-ministro prepara para as televisões. Segundo, porque a cena revela falta de respeito pela oposição. Terceiro, porque o governo deve entregar ao PSD o que legitimamente lhe foi pedido - a programação dos investimentos públicos para os próximos anos - e não outra coisa qualquer.

Quando trata mal o parlamento, é a todos nós que Sócrates trata mal.

3 comentários:

GL disse...

Ele sabe jogar uma partida de demagogia.
Era a vez dele.

Mónica disse...

Discordo: Sócrates fez bem em enviar e Rangel fez mal em rejeitar; se tivesse aceite, teria reparado que os estudos são de 2003 (ou 2004?) e devolveria logo o "tiro" ao PM, que teria de desenrascar uma resposta. Ficou a perder, portanto.

GL disse...

"teria reparado que os estudos são de 2003 (ou 2004?) e devolveria logo o "tiro" ao PM"

Que ferro de discurso. Eu o achei assustadoramente fraco, ficou deslumbrado em entrar para os anais da história da Assembléia. Um flop completo. Até senti saudades de Santana.