1.10.08

A festa

Rui Ramos repete hoje no Público ao seu argumento (ver síntese aqui) de que não temos nada que nos queixar das presentes agruras financeiras, porque, enquanto durou a festa, todos ganhámos com isso.

Ora eu não sei de que festa fala Rui Ramos, porque, comparando os últimos 30 anos com os 30 anos que os precederam:

1. O PIB per capita cresceu menos nos países da OCDE

2. O desemprego aumentou permanentemente para níveis mais elevados

3. As desigualdades económicas e sociais atingiram níveis inauditos desde o período anterior à 2ª guerra mundial

Logo, se houve festa, a maioria de nós não foi decerto convidada.

2 comentários:

Pedro disse...

Caro João Pinto e Castro,

o Senhor, obviamente, não sabe do que está a falar.
quem o lê fica com 3 percepções:

1. à 30 anos abandonou-se uma política económica(keynesianismo) numa altura em que ela estava a ter muito sucesso e se mostrava acertada.

2. o liberalismo (a "nova" política ecónomica - "nova" pois são neoclássicos) pouco contribui para a combater os poucos (porque se estava, muito bem, presume-se) problemas que existiam à 30 anos.

3. nos últimos 30 anos uns poucos ganharam mais; a maioria está na mesma.


é caso para perguntar, em que mundo é que o Senhor viveu?

maloud disse...

Deve viver no mundo do há.