29.10.08

Toda a verdade sobre a mentira na política

Fui convidado pelo RCP para debater hoje, a partir das 23 horas, o tema "A Mentira na Política". Este é o post que escrevi para servir de base à discussão:

“Exigimos que sejam legalmente perseguidos aqueles que propagam e disseminam mentiras políticas através da imprensa.” Esta declaração indignada foi extraída de um manifesto do partido nazi de 1920.

As mentiras dos políticos são, nas sociedades fundadas no princípio da soberania popular, consideradas algo de extrema gravidade, mas nem sempre as cruzadas em favor da verdade na política são inspiradas pelas melhores intenções.

A experiência pessoal ensina-nos que não é possível dizer sempre a verdade, nem na vida privada, nem na vida pública, pela simples razão de que há sempre aspectos da verdade que não favorecem as nossas opiniões ou projectos.

Logo, a verdade é um paradoxo da democracia: uma exigência simultaneamente indispensável e irrazoável que, por isso mesmo, podemos qualificar de utópica.

Como é que os políticos lidam com esta dificuldade central, tendo em conta a gravidade que a opinião pública atribui à deliberada deturpação dos factos?

No essencial, criando corpos especiais de assessores encarregados de produzirem a informação factual de que os governantes depois se servem para falar ao povo. Se os factos vierem a revelar-se falsos, a responsabilidade poderá sempre ser transferida para o staff, visto que o político se limitou a transmitir de boa fé aquilo que outros o haviam persuadido ser a verdade.

Terá Bush mentido deliberadamente ao asseverar a existência de armas de destruição massiva no Iraque de Saddam? Não necessariamente, visto que essa informação lhe chegara através da CIA. Mas, então, estarão os políticos à mercê das “verdades” que os departamentos técnicos especializalidos quiserem impingir-lhes? Também não, pois os assessores aprendem rapidamente a discernir quais as verdades que os seus superiores estão ou não estão interessados em conhecer.

O político pode ser encontrado em falta, mas dificilmente se provará que mentiu. A mentira factual é hoje muitíssimo perigosa, visto que a opinião pública dispõe de poderosíssimos meios de escrutínio que se estendem, inclusive, às vidas pessoais dos detentores de cargos públicos. Todavia, a política não lida apenas com factos, mas também com interpretações e, sobretudo, com projectos, domínios em que se torna muito mais difícil estabelecer uma distinção tão clara entre o verdadeiro e o falso.

Nesta perspectiva mais vasta, a questão central consiste em saber como distinguir a demagogia da verdade, visto que a demagogia é uma patologia inseparável da democracia, ou seja, do sistema que concede aos cidadãos a possibilidade de influenciarem ou determinarem decisões políticas através do voto.

Pode a demagogia ser combatida exclusivamente com a verdade, ou será necessária alguma mentira à mistura para derrotá-la? Deve o político de recta intenção prescindir por inteiro da mentira se constatar que, ao menos em certas circunstâncias, ela possui uma vantagem natural sobre a verdade?

James Callaghan, primeiro-ministro britânico nos anos 70, dizia que a mentira dá à volta ao mundo enquanto a verdade ainda está a calçar as botas. Este melancólico pensamento reconhece o quanto às vezes é sedutora a mentira. Não só porque a favorece a estupidez humana, mas também por ter do seu lado a fantasia e o prazer de se ser enganado.

Que concluir, então, sobre a difícil relação entre a verdade e a política? Que é exagerado o receio de que a mentira possa só por si destruir a política democrática, e que devemos desconfiar daqueles que nos prometem uma política em absoluto livre de mentira. Todavia, embora um certo nível de mentira seja razoavelmente bem tolerado pelas sociedades livres, não se pode negar que, passado um certo ponto, a desconfiança de todos em relação a todos pode minar os seus fundamentos.

O importante não é abolir de uma vez por todas a mentira da política, mas fortalecer o sentido crítico dos cidadãos e garantir que ele possa exprimir-se em condições de liberdade. Para usar a feliz expressão do recentemente falecido filósofo Richard Rorty: “Cuidemos da liberdade, que a verdade cuidará de si mesma”.

2 comentários:

jj.amarante disse...

Clap, clap, estás a ficar sábio.

GL disse...

Em democracia, ninguém suporta a verdade. Nem há democracia que a resista.

Não existem governos mentirosos. Existem governos com mal marketing. Mintam, mas por favor, mintam bem.

Falando do contexto português, o melhor que nos aconteceu (e que trouxe alguma estabilidade) nos últimos anos foi passarmos a ter um governo com bom marketing. Viver sem marketing, ou com marketing errático (como o dos 3 governos anteriores), é insuportável. Não há cristão que aguente.